Newsletter subscription
To register / To login

Sites pays et partenaires

Membres :
0 200 500 1000 2000 5000 10000+
News
Share with :

Retrato: Bianca Amaro

05 November 2021 Business
View 281 times

O Brasil, país pioneiro na América Latina no campo da ciência aberta, pode contar com várias personalidades de destaque que trabalham há mais de vinte anos para propagar a "filosofia e prática da ciência aberta", como Abel Packer, o fundador e atual diretor da plataforma de publicação científica SCIELO, Claudia Medeiros, que coordenou o programa eScience and Data Science na FAPESP, ou Bianca Amaro.


Bianca Amaro é doutora em lingüística aplicada e licenciada em biblioteconomia. Há mais de trinta anos, ela trabalha no Instituto Brasileiro de Informação em Ciência e Tecnologia (IBICT), um órgão público federal cuja missão é promover a capacitação, o desenvolvimento de recursos e a infra-estrutura de informação em ciência e tecnologia a fim de fomentar a produção e a visibilidade do conhecimento científico e tecnológico. No final dos anos 90, colegas retornando da Europa lhe falaram sobre a ciência aberta. Ela viu imediatamente sua importância e interesse não apenas para o Brasil, mas também para a América Latina em geral. Ela se tornou imediatamente uma defensora e, como ela diz, tentou "evangelizar" onde quer que fosse. Que vantagens a ciência aberta oferece à ciência brasileira? 1) Facilitar o acesso à produção científica produzida no Brasil e fora do Brasil e 2) Tornar a produção científica brasileira visível fora do Brasil. Portanto, estas são questões muito importantes para um país que está procurando se estabelecer no círculo dos principais países produtores de conhecimento.


O IBICT tornou-se um operador que promove a ciência aberta com Bianca Amaro no leme. Em 2002, sob o impulso do IBICT, foi criada a Biblioteca Digital Brasileira de Teses e Dissertações (BDTD). Esta biblioteca integra as plataformas das instituições de ensino superior e pesquisa que hospedam as teses e dissertações de mestrado e doutorado apresentadas pelos estudantes destas instituições. Nos anos seguintes, o IBICT fez da ciência aberta uma de suas missões, promovendo e apoiando a criação por universidades e organizações de pesquisa de plataformas para o depósito de produções científicas on-line. O IBICT oferece treinamento para os responsáveis por essas plataformas e utiliza um vasto know-how na criação de infra-estruturas digitais. Em um esforço para agregar todas estas publicações brasileiras de acesso aberto, o IBICT criou um portal único de pesquisa chamado OASISBR.


Outra frente de ação para Bianca Amaro é a rede La Referencia, que é uma rede latino-americana de plataformas de repositório de produção científica on-line, da qual ela é a presidente. Finalmente, para Bianca Amaro, existem outros desafios levantados pela ciência aberta que requerem novas áreas de reflexão e ação a serem implementadas no Brasil, e mais amplamente na América Latina. Entre elas, há a que trata dos modos de avaliação dos pesquisadores e a que trata da criação de plataformas de dados abertas.


Bianca Amaro participará do simpósio internacional sobre ciência aberta que acontecerá nos dias 6 e 7 de dezembro em Buenos Aires e que é organizado pelas embaixadas francesas na Argentina e no Brasil, pelo Centro Franco-Argentino de Estudos Avançados da Universidade de Buenos Aires e pelo CNRS.

 




Comments

Vous devez être connecté pour laisser un commentaire. Connectez-vous.