s'inscrire / se connecter
Provérbios: explicações e origens

Provérbios franceses para refletir e utilizar!

 A língua francesa é abundante em provérbios tanto engraçados como intrigantes. Mas antes de utilizá-los, é preciso ainda compreender bem seus sentidos. Veja alguns decodificados. prov

« Quand le vin est tiré, il faut le boire. »

Não, aqui não se trata de um convite à embriaguez, mas antes, de concluir uma ação na qual nos envolvemos. O verbo « tirer » significa« fazer sair de um recipiente ». Uma vez que o vinho foi tirado do barril, não resta nada mais do que bebê-lo. Em outras palavras: é preciso concluir aquilo que começamos a fazer.

« Pierre qui roule n'amasse pas mousse. »

Para compreender esse provérbio utilizado desde o século XVI,é preciso fazer um tour pela floresta. Os pedregulhos que não são deslocados durante algum tempo, pouco a pouco ficam cobertos de musgo. É melhor ficar no mesmo lugar do que se deslocar freneticamente: não se enriquece muito indo de lugar em lugar.

« On ne fait pas d'omelette sans casser des œufs. »

Não confie nas aparências: esseditadonão é uma receita de cozinha. No século XVIII, « fazer uma omelete » significava « quebrar coisas frágeis ».O escritor Balzac foi o primeiro a utilizar essa imagem na expressão de uma moral pragmática: é preciso saber aceitar alguns sacrifícios quando desejamos chegar a algum objetivo.

« C’est au pied du mur qu’on voit le maçon. »

O maçon é aquele que constrói a parede. É somente após ele ter concluído sua tarefa que podemos avaliar sua habilidade… ou a falta dela. Esseprovérbio é frequentemente empregado de forma irônica para denunciar alguma coisa mal feita.Nós o encontramos na obra de Jean de la Fontaine, um autor que compunha fábulas com uma virtuosidade incomparável.

« Quand le chat n'est pas là, les souris dansent. »

Os ratos têm o hábito de desconfiar dos gatos e se escondem assim que eles se aproximam. Mas assim que o felino se ausenta, eles imediatamente reaparecem! Os homens adotam a mesma atitude desses pequenos roedores. Uma vez que seus superiores se retiram, eles fazem o que bem entendem.